Histórico do Batalhão de Operações Especiais

O Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) têm sua origem na antiga Companhia de Operações Especiais (COE), criada em 27 de outubro de 1964, tendo como seu primeiro Comandante o então Capitão Goro Yassumoto.

Em 1968, com a alteração da Lei de Organização Básica da PMPR, a Companhia foi estruturalmente elevada à condição de “Corpo de Operações Especiais (COE)”, o qual contou com memoráveis integrantes nos seus quadros, entre eles o então Major Hélio Gomes de Meireles, o Major Raul Victor Lopes, e o então Tenente Eugenio Semmer.

No ano de 1974, devido a conflitos estruturais e equívocos com relação ao emprego operacional e perfil do homem de operações especiais, o Corpo de Operações Especiais foi extinto, iniciando-se assim um vácuo de quase 15 anos, em que a Polícia Militar do Paraná esteve sem uma estrutura organizacional de resposta efetiva para o tema “Operações Especiais”.

Em 1988, a segurança pública do Estado do Paraná foi afetada por uma onda criminosa de práticas de sequestro, provocadas por criminosos oriundos de outras unidades da federação. Diante desse cenário complexo, o então Comandante da Companhia de Polícia de Choque, o visionário Major Valter Wiltemburg Pontes, encaminhou projeto de criação de uma unidade de operações especiais ao então Comandante do Policiamento da Capital, Cel QOPM Wilson Odirley Valla, o qual prontamente acatou o estudo. Alguns homens foram selecionados e após um período árduo de treinamento, iniciou-se a nova fase das Operações Especiais no Estado do Paraná, estava criado assim o “Comandos e Operações Especiais (COE)”.

No ano 2010, diante das crescentes demandas operacionais, e ainda da necessidade de potencializar os macroprocessos capacitação e difusão de conhecimento estratégico, a estrutura organizacional da antiga Companhia de Polícia de Choque foi transformada no Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), unidade operacional, responsável pela resolução de ocorrências críticas, por meio da combinação sinergética de recursos humanos qualificados, logística apropriada e protocolos de atuação.