• novas viaturas
  • helicopter_graer
  • Destaque Polícia Militar
  • Destaque Polícia Militar
  • Destaque Polícia Militar
  • Intranet
  • Estado

Capital

05/11/2011

BOPE da Polícia Militar completa um ano de criação e divulga resultados estatísticos

Por Marcia Santos
Jornalista PMPR

Uma solenidade realizada no pátio do Quartel do Comando Geral nesta sexta-feira (04) comemorou o aniversário de um ano de criação do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), da Polícia Militar do Paraná. O Comandante-Geral da PM, Coronel Marcos Teodoro Scheremeta, participou do evento acompanhado do Subcomandante-Geral Coronel Júlio Ozga Nóbrega e do Comandante do BOPE, Tenente Coronel Nerino Mariano de Brito.

Durante o evento a tropa desfilou demonstrando todo o efetivo da unidade, e alguns dados estatísticos do Batalhão serão divulgados. De outubro de 2010 a outubro deste ano o BOPE apreendeu 388 armas de fogo, 31.970 kg de cocaína, 85.314 kg de maconha e 25.646 kg de crack, além de 123 menores suspeitos de envolvimento com o tráfico, e 135 veículos. No mesmo período foram abordadas 86.221 pessoas, das quais 739 foram presas, 697 estabelecimentos e 11.299 veículos, dos quais 140 foram recuperados.

Além das autoridades citadas, também estiveram presentes no evento outras autoridades civis e militares, oficiais e praças da corporação paranaense, e uma delegação de oficiais da Polícia Militar da Bahia, comandada pelo Tenente-Coronel Pedro Jorge de Carvalho Fonseca. Durante a solenidade medalhas foram entregues às pessoas que de alguma maneira contribuíram com o BOPE neste primeiro ano de atividades.

“O Batalhão de Operações Especiais é a unidade mais especializada da Polícia Militar, é a reserva técnica do Comando Geral, é a tropa de elite da PM, sem desmerecer todo e qualquer policial militar, mas o BOPE por suas características, pelo seu tipo de treinamento, pela sua estrutura, pelas suas especificidades é realmente a tropa de elite, e muito bem visto pela sociedade paranaense porque nas piores situações, quando a sociedade mais precisa de socorro, nas circunstâncias mais graves o BOPE está pronto para intervir”, destacou Scheremeta.

Para o Comandante do BOPE, Tenente-Coronel Nerino, a unidade especializada hoje conta com um efetivo altamente capacitado e preparado para qualquer situação que apareça. “Recentemente 100% do nosso efetivo passou por um rigoroso aperfeiçoamento, ficando eles capacitados a altura do que a sociedade paranaense espera dos policiais que utilizam esta farda, ou seja, já estão preparados para qualquer situação que fuja do comum”, revela. “Devido ao treinamento constante esta tropa apresenta tantos resultados positivos”, completa.

BOPE – O BOPE é uma unidade especializada e foi criado por meio do Decreto Governamental n. 8.627 de 27 de outubro de 2010, a partir da transformação da antiga Companhia de Polícia de Choque em Batalhão de Operações Especiais (BOPE) – Tropa de Elite da Polícia Militar – no formato conhecido hoje. A antiga Companhia foi criada em 1964.

A transformação estava prevista na nova lei de organização básica da PM que prevê a expansão e criação de várias unidades na PM, a descentralização e a melhoria dos serviços prestados, em todo o Estado. A Companhia de Choque funcionava sob o comando de um Major e, com a transformação em BOPE, a unidade passou a ser comandada por um Tenente-Coronel.

Hoje o BOPE possui seis companhias – duas de Choque, duas de Rondas Ostensivas de Natureza Especial, uma de Operações Especiais, uma de Cinotecnia (Canil), além de um Grupo de Negociação e Pelotão de Comando e Serviço – antes era uma só. Em breve a unidade deverá ganhar uma nova sede, mais ampla. 

ORIGEM – Em 1964, a Companhia de Operações Especiais era uma subunidade do Batalhão de Guardas, integrada ao 1° Regimento de Segurança Coronel Dulcídio. Ela passou a ser subordinada diretamente ao Comando Geral da Polícia Militar em julho de 1965. Já em 1967, a unidade ganhou estrutura própria sendo mudada sua denominação para Corpo de Operações Especiais (COE). Em 1974 teve suas instalações transferidas para o Regimento Coronel Dulcídio, sendo extinta no mesmo ano.

Dois anos depois, em 1976, a Lei de Organização Básica da PMPR, possibilitou a criação de polícia de choque em sua estrutura, aproveitando o efetivo da antiga COE. Desta forma foi instalada a Companhia de Polícia de Choque, com sede nas dependências do Quartel do Comando Geral, formada com soldados recém formados na Academia Policial Militar do Guatupê (APMG) e com oficiais e sargentos transferidos de outras unidades, todos, então, sob o comando do Tenente Eugênio Semmer – primeiro comandante do Companhia de Choque.

Mais tarde a Companhia foi reestruturada e ganhou três companhias: COE – Comandos e Operações Especiais, RONE – Rondas Ostensivas de Natureza Especial, e Canil, as quais juntas atuavam em operações de Controle de Distúrbios Civis. Em 2010, transformado em BOPE, a unidade ganhou mais força e, hoje, atua em situações que requeiram intervenção pronta e enérgica de tropa especialmente instruída. 

Fotos: Cabo Manoel Gomes

    

   

   

   

   

   

   

   

   
Coronel Scheremeta

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.