Canil do BPChoque comemora 50 anos de criação com entrega de medalhas em Curitiba
15/12/2021 - 10:45

A Companhia de Operações com Cães (COC), subunidade do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), comemorou, na manhã desta terça-feira (14/12), o seu 50º aniversário com a entrega de medalhas. O evento aconteceu no pátio do BPChoque, em Curitiba, e contou com a participação de policiais veteranos que fizeram parte da criação da unidade. Apenas em 2020, a subunidade retirou quase 60 toneladas de drogas de circulação.


O Comandante-Geral da PM, coronel Hudson Leôncio Teixeira, participou da solenidade e agradeceu aos policiais que, juntamente com os seus cães, fazem a diferença no dia a dia. “Fica o nosso respeito e admiração a todos aqueles que construíram a história do Canil e aqueles que estão na unidade, pois é uma atuação diferenciada que tem resultados excepcionais”, disse.


O Subcomandante-Geral da PM, coronel Rui Noé Barroso Torres, o qual o BPChoque é subordinado, destacou a importância da utilização dos cães na atividade policial militar. “Desde o início o Canil já mostrava a sua importância e hoje, após muito estudo e aprimoramento, os cães não encontram apenas drogas e armas, mas também explosivos, além de pessoas desaparecidas e cadáveres, este pelo Corpo de Bombeiros, e de entorpecentes de formas aprimoradas e mais eficiente”, explicou.


O CÃO NA POLÍCIA – O emprego do cão no serviço policial é o resultado da parceria entre animal e ser humano que se estabeleceu há séculos. Em tempos de guerra ou paz, o cão sempre esteve presente nas mais diferentes camadas sociais e civilizações e hoje continua sendo o melhor amigo do homem. Na segurança pública isso é evidente pelo trabalho desenvolvido pela Companhia de Operações com Cães (COC) do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque) e pelos Canis setoriais de outras unidades operacionais da PM de todo o estado.


Em muitas situações, o emprego do cão de faro é decisivo para que drogas, armas e outros materiais ilegais sejam encontrados. As capacidades naturais do cão em detectar substâncias e objetos desafia a capacidade do ser humano em camuflar objetos e despistar os policiais militares durante abordagens e revistas. O combate ao tráfico de drogas é a área em que os cães da Polícia Militar mais se destacam diante do grande volume de drogas apreendidas.


Apenas no ano de 2020, o COC apreendeu quase 60 toneladas de entorpecentes, auxiliando diversas unidades da PMPR. Nesta madrugada, uma operação na Rodoviária de Curitiba resultou na apreensão de 8,8 quilos de MDMA e na prisão de um homem, causando um prejuízo financeiro de, aproximadamente, R$ 1 milhão aos traficantes.


“Nós temos muitas coisas a comemorar nesses 50 anos, pois essa subunidade tem evoluído muito nos últimos anos e a demonstração tem sido os resultados, não apenas nas operações aqui no Paraná, mas também em todo o país. A partir de agora já estamos traçando novas metas para melhorar ainda mais essa atividade dentro da Polícia Militar e levar, cada vez mais, um policiamento de qualidade para a nossa população”, disse o Comandante do BPChoque, major Paulo Renato Aparecido Siloto.


PREPARO – Mas para que o cão tenha plena capacidade de aplicação policial, há um rigoroso adestramento que se inicia desde o nascimento. Os filhotes são separados e analisados um a um, verificando se possuem aptidão para o trabalho. Depois, inicia-se a fase de adestramento com o cinotécnico (policial militar especializado em ações com cães). Durante o treinamento é que se descobre qual a aptidão para desempenhar missões específicas, e a partir daí a formação é moldada de acordo com a especificidade.


A doutrina cinotécnica do COC é difundida entre os canis setoriais das demais unidades operacionais da PM no estado. Batalhões especializados como o Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron) e do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) também possuem cães que são aplicados no combate ao narcotráfico, contrabando e descaminho, crimes que ocorrem com frequência na região de fronteira e nas rodovias estaduais.


HOMENAGENS – Durante a solenidade, foi entregue a oficiais e praças da ativa e da reserva a Medalha Comemorativa do Cinquentenário das Operações com Cães da PMPR. Um dos agraciados foi o major Gustavo Dalledone Zancan, que já foi Comandante da Companhia de Operações com Cães durante quatro anos e agora está no subcomando do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv).


“É uma honra muito grande participar desse momento, pois estudei muito sobre a história da unidade e hoje tive a honra de conhecer alguns daqueles que iniciaram tudo isso. Mesmo estando em outra unidade, mesmo assim estou sempre trabalhando com os cães policiais do BPRv e fico muito feliz de poder reencontrar tantas pessoas que fizeram parte da minha passagem por essa unidade”, disse o major Zancan.


O Sargento Veterano Antônio Carlos Maciel, que foi um dos policiais que estiveram no início do Canil esteve presente na solenidade e também foi agraciado com a medalha. “É muito bom ver a semente que nós plantamos há 50 anos com muitas dificuldades hoje dando resultados diariamente, não apenas na apreensão de drogas, mas também na localização de diversos outros ilícitos que entram no nosso estado”, disse.


A cabo Gisele de Andrade Duarte está há quase um ano no COC e entrar na unidade foi a realização de um sonho. “Em janeiro eu faço 18 anos de Polícia Militar e receber uma condecoração como essa é uma emoção muito grande, pois fiz o curso de cinotecnia em 2019 e há um ano consegui entrar nessa unidade que é tão importante na nossa instituição”, complementou.

GALERIA DE IMAGENS